Entrevista com o Dr. Jonathan Afilalo, o criador do aplicativo 'Frailty Tool' | happilyeverafter-weddings.com

Entrevista com o Dr. Jonathan Afilalo, o criador do aplicativo 'Frailty Tool'

O Dr. Jonathan Afilalo é cardiologista e clínico-cientista nas Divisões de Cardiologia e Epidemiologia Clínica do Hospital Geral Judaico. Ele também é professor associado no Departamento de Medicina. Ele completou seu treinamento de residência em cardiologia e mestrado em epidemiologia na Universidade McGill e, posteriormente, completou seu treinamento em ecocardiografia e ressonância magnética cardíaca na Universidade de Harvard.

Seus principais interesses de pesquisa incluem fragilidade, biologia do envelhecimento, previsão de risco antes da cirurgia cardíaca e TAVI, ressonância magnética cardíaca, ecocardiografia e ventrículo direito. O Dr. Afilalo é o investigador principal (PI) do estudo internacional “FRAILTY-AVR” comparando o impacto das ferramentas de avaliação da fragilidade em pacientes idosos submetidos à substituição valvular aórtica transcateter e cirúrgica. Ele também é o IP do ensaio “PERFORM-TAVR” avaliando o impacto do exercício caseiro e suplementação nutricional após o TAVI.

Como parte de seus esforços produtivos e contribuições para a cardiologia e a ciência médica em geral, o Dr. Jonathan Afilalo desenvolveu o aplicativo Frailty Tool que analisamos anteriormente em HappilyEverAfter-Weddings.
Tivemos o prazer de fazer ao Dr. Afilalo várias perguntas sobre o aplicativo Frailty Tool, o impacto que ele teve na prática clínica e os planos futuros.


Você pode nos contar a história por trás do seu aplicativo para dispositivos móveis? De onde surgiu a ideia do seu aplicativo? O que serviu de inspiração para o aplicativo?

Nos últimos 10 anos, venho realizando pesquisas sobre o tema da fragilidade em idosos com doenças cardíacas, aprendendo a medir e integrar de maneira ideal a fragilidade no atendimento clínico. Apesar dos resultados positivos, a aceitação clínica foi limitada devido à falta de familiaridade com as técnicas para avaliar a fragilidade. Eu desenvolvi o aplicativo Frailty Tool para transferir esse conhecimento para médicos e estagiários por meio de uma plataforma de fácil utilização que poderia ser usada com eficiência à beira do leito.

Como você construiu o conteúdo contido no aplicativo? As informações do seu aplicativo são provenientes de recursos baseados em evidências, como literatura científica, artigos revisados ​​por pares e estudos de caso?

Os "cérebros" do aplicativo derivam do estudo FRAILTY-AVR publicado no Journal of American College of Cardiology em 2017. Este estudo recrutou mais de 1.000 pacientes e determinou o valor prognóstico incremental dos parâmetros de fragilidade para prever a sobrevida e a incapacidade após transcateter ou substituição cirúrgica da valva aórtica. A ferramenta já foi validada em outros contextos, como a cirurgia de revascularização do miocárdio.

Qual foi o impacto do seu aplicativo na prática clínica até agora? Gostaríamos que você compartilhasse algumas estatísticas sobre a frequência com que seu aplicativo é usado em todo o mundo.

O aplicativo Frailty Tool foi apresentado em conferências internacionais de cardiologia (Canadian Cardiovascular Congress, Sessões Científicas do American College of Cardiology) e foi baixado milhares de vezes em todo o mundo. Mais importante, o maior impacto tem sido no atendimento ao paciente, com os clínicos compartilhando suas experiências da vida real sobre como o aplicativo os ajudou a fazer melhores previsões de risco e fornecer tratamentos individualizados em casos complexos.

Quais são as ferramentas e tecnologias usadas para criar seu aplicativo móvel (no lado da nuvem e no lado do cliente)? Foi desenvolvimento nativo ou multiplataforma? Você considerou outras tecnologias?

Optamos por uma abordagem de plataforma cruzada para maximizar a acessibilidade para nossos usuários.

Quais foram os principais desafios que você teve que superar ao desenvolver seu aplicativo? Você poderia, por favor, destacar os maiores desafios técnicos, desafios de produtos, desafios de marketing e desafios de suporte?

O principal desafio foi destilar as informações em uma avaliação fácil de usar que poderia ser administrada em <5 minutos. Os médicos estão ocupados e a última coisa que eles querem fazer é passar horas administrando questionários.

Você poderia destacar os 3 maiores erros que você cometeu ao desenvolver o aplicativo Frailty Tool?

Como é frequentemente o caso, o tempo necessário para conceituar e concluir o projeto foi certamente subestimado. O diabo está nos detalhes, e nós certamente passamos muito tempo examinando esses detalhes para garantir uma boa experiência do usuário.

Quando se trata de aplicativos médicos, mais cedo ou mais tarde a questão da proteção de dados e segurança sempre aparece. Como você se certifica de que os dados do usuário são seguros?

Projetamos o aplicativo para que os dados inseridos permanecessem no dispositivo do usuário sem serem copiados em um banco de dados central. Além disso, os dados inseridos não contêm identificadores de pacientes (nome, data de nascimento, etc.)

O que vem a seguir para o seu aplicativo? Existem novos recursos, funcionalidades ou atualizações planejadas para futuras atualizações?

Estamos empolgados por trabalhar com colegas internacionais para implementar as versões em japonês e espanhol do aplicativo. Também estamos adicionando recursos com base na entrada do usuário, o que, entre outros, permitirá o cálculo de outras pontuações de fragilidade, além da pontuação do Essential Frailty Toolset (EFT).

Estamos entusiasmados com as tecnologias e o que elas podem ter para a saúde e o futuro da medicina. O que você acha que esse futuro voltado para a tecnologia e voltado para a humanidade vale para a saúde móvel e como o aplicativo pretende contribuir?

Não há dúvida de que a tecnologia desempenhará um papel crescente na prática médica. Aplicativos como o nosso ajudarão os médicos a captar novas informações que possam ser aplicadas para oferecer cuidados centrados no paciente de alta qualidade.

Você poderia compartilhar alguns conselhos com outros desenvolvedores de aplicativos para dispositivos móveis? Quais etapas eles devem seguir para criar um aplicativo de sucesso?

O conselho mais útil seria manter o foco geral na saúde e bem-estar do paciente. Essa deve ser a força motriz por trás do conteúdo e da entrega do aplicativo que está sendo desenvolvido.

#respond